Avaliação da Carta de Risco de Incêndio Florestal do Distrito de Viseu

 

O  IGP (grupo RISE) elaborou, em Maio de 2004 a Carta de Risco de Incêndio Florestal do Distrito de Viseu. Esta cartografia foi feita a pedido do Governo Civil de Viseu, e posteriormente entregue ao Governo Civil, Câmaras Municipais e Corporações de Bombeiros do Distrito de Viseu.

Passada as épocas de fogos de 2004 e 2005, pretende-se agora avaliar a referida cartografia com os dados dos incêndios ocorridos no Distrito de Viseu em 2004 e 2005. Para isso, pediram-se à DGRF (Direcção Geral dos Recursos Florestais) os dados relativos às áreas ardidas nos referidos anos.

Presentemente, ainda só nos foram fornecidas as áreas ardidas dos incêndios florestais superiores a 50 ha (ainda não estão prontas as áreas dos incêndios de menor dimensão). A partir destes dados efectuou-se o cruzamento das áreas ardidas com a Carta de Risco de Incêndio Florestal, tendo-se obtido os seguintes resultados:

 

Ano 2004

Classe de Risco

% área ardida/classe risco (percentagem absoluta)

Área ardida (hectares)

Área total Classe

% área ardida/classe risco (percentagem relativa)

Baixo

2.23

241.94

34836.75

0.69

Baixo - Moderado

6.57

712.81

113791.13

0.63

Moderado

2.74

296.81

42641.19

0.70

Elevado

44.92

4872.31

189227.94

2.57

Muito Elevado

43.54

4722.63

103278.75

4.57

Totais:

100.00

10846.50

483775.76

 

Ano 2005

 

Classe de Risco

% área ardida/classe risco (percentagem absoluta)

Área ardida (hectares)

Área total Classe

% área ardida/classe risco (percentagem relativa)

Baixo

3.48

1340.50

34836.75

3.85

Baixo - Moderado

7.71

2968.06

113791.13

2.61

Moderado

5.44

2094.94

42641.19

4.91

Elevado

43.79

16866.25

189227.94

8.91

Muito Elevado

39.59

15246.75

103278.75

14.76

Totais:

100.00

38516.50

483775.76

 

 

Nos incêndios ocorridos em 2004, os resultados são muito positivos para a avaliação da metodologia utilizada na produção da referida cartografia, pois, como se pode observar no quadro acima, 88.46 % das áreas ardidas estão dentro de áreas indicadas na Carta de Risco de Incêndio Florestal como áreas de  Risco de Incêndio Elevado ou Risco de Incêndio Muito Elevado. Pode-se também observar que a área ardida dentro das zonas de Risco de Incêndio Elevado ou Risco de Incêndio muito elevado é 7.67 vezes superior à área ardida fora destas zonas.

Nos incêndios ocorridos em 2005, os resultados são igualmente muito positivos para a avaliação da metodologia utilizada na produção da referida cartografia, pois, como se pode observar no quadro acima, 83.38 % das áreas ardidas estão dentro de áreas indicadas na Carta de Risco de Incêndio Florestal como áreas de  Risco de Incêndio Elevado ou Risco de Incêndio Muito Elevado. Pode-se também observar que a área ardida dentro das zonas de Risco de Incêndio Elevado ou Risco de Incêndio muito elevado é 5 vezes superior à área ardida fora destas zonas.

É de referir ainda, que a pequena área ardida que está dentro das zonas com Risco Baixo ou Baixo - Moderado ((8.80 % em 2004 e 11.19 % em 2005), resulta provavelmente da natural progressão dos incêndios que, por vezes, quando atingem certas dimensões (tendo havido em 2005 vários incêndios de grandes dimensões no distrito de Viseu), invadem zonas de baixo risco de incêndio, como por exemplo terrenos agrícolas.

 

Analisando os dados em termos de percentagens relativas, pode-se observar que nas classes de risco mais baixo as percentagens ardidas são muitíssimo mais pequenas do que nas zonas de maior risco, embora nas 2 classes mais baixas as diferenças entre elas seja diminuta e de distribuição irregular entre elas, o que significa que os parâmetros utilizados, nestas classes não conseguem diferenciá-las de forma eficaz em termos das respectivas áreas ardidas.

Já nas classes de Risco de Incêndio Elevado e Risco de Incêndio Muito Elevado, pode-se observar que de facto estas classes são de longe as mais atingidas pelos incêndios, e a de Risco de Incêndio Muito Elevado é a classe mais afectada pelos incêndios de uma maneira muito expressiva.

 

Conclui-se assim, pela análise destes resultados, e tendo igualmente em conta que o ano de 2005 foi extremamente grave e de certa forma anómalo no que diz respeito à enorme área ardida no distrito de Viseu (quase 40 000 ha), que a metodologia utilizada na produção da Carta de Risco de Incêndio Florestal foi extremamente precisa em termos de previsão das zonas com maior risco de incêndio florestal no distrito de Viseu (ver também figuras abaixo).

Logo que a DGRF disponibilize os dados relativos aos incêndios de menor dimensão, iremos refazer a análise, de um modo mais detalhado, com esses novos elementos.

É mesmo provável que a precisão melhore, porque poderão existir ilhas de baixo risco não ardidas dentro destas áreas ardidas, bem como uma melhor definição nas fronteiras.

As áreas delimitadas a azul representam as áreas ardidas (superiores a 50 ha) em 2004.

 

 

 

Ampliação de uma zona da carta. As áreas ardidas em 2004 estão delimitadas a azul.

 

As áreas delimitadas a azul representam as áreas ardidas (superiores a 50 ha) em 2005.

 

Ampliação de uma zona da carta. As áreas ardidas em 2005 estão delimitadas a azul.

 





Contacte-nos: crif98@igeo.pt
1998-2000, Grupo CRISE, todos os direitos reservados