1 - Introdução


O Centro Nacional de informação Geográfica desenvolveu e implementou durante o ano de 1999 um sistema informático com a função de organizar a informação relativa às Ocorrências.

Este Sistema apresenta três vertentes:

    1. - Programa Snpc Intro

Este software pretende implementar na estrutura de coordenação da Protecção Civil, um sistema informático capaz de monitorizar e manter o fluxo de informação de todo o tipo de Ocorrências, desde o nível Local, Regional e Nacional.

Ao longo do tempo em que o CNIG apoiou o processo de introdução, visualização e manipulação dos dados referentes ás ocorrências introduzidas nas aplicações foram identificados alguns problemas:

1.1.1 - Problemas Associados à Utilização:

1.1.2 - Problemas Associados á Falta de Informação

Base de dados toponímica - O software SNPCintro utiliza uma base de dados toponímica, como ferramenta auxiliar para a localização das ocorrências. Durante a utilização do programa, fomos sendo informados pelos operadores que alguns topónimos não constavam na base de dados ou não estariam correctos. Como exemplo temos o caso de lugares que foram re-organizados administrativamente, devido à criação e extinção de alguns concelhos, bem como a utilização de abreviaturas na toponímia, que nem sempre é uniforme. A resolução deste tipo de problemas não passa só por nós, devendo passar pela aquisição de informação actualizada junto das entidades competentes, tais como Câmaras Municipais ,Ine,etc. O CNIG tem no entanto estado a fazer um esforço no sentido de actualizar geográficamente a infomação disponibilizada.

Um outro aspecto a ter em conta é que apartir do momento em que se entra em zonas urbanas a precisão e a quantidade de informação toponímica é insuficiente para localização. Seria útil pensar-se na construção de bases de dados toponímicas das principais cidades, para uma localização mais precisa das ocorrências.

Falta de Informação Temática - Apesar das aplicações criadas para a Protecção Civil estarem preparadas para processar um vasto conjunto de dados, algumas das suas funcionalidades estão sub-aproveitadas, muito por culpa da falta de informação disponível. Não existe por parte da Protecção Civil um plano para aquisição ou acesso a informação cartográfica de âmbito nacional, nomeadamente mapas de localização de unidades industriais, armazenamento de matérias perigosas, etc. De salientar ainda que a Proteção Civil está a usar uma colecção de cartas militares 1:25000 Gauss-Militar em formato digital (imagens GIF) que foram emprestada pelo CNIG, não tendo ainda adquirido essa colecção ao Instituto Geográfico do Exército.