2-Objectivos Futuros


2.1- Introdução de Ocorrências


Neste momento está a ser desenvolvido um conjunto de páginas que permitirá a introdução e gestão das ocorrências via internet, possibilitando assim que um utilizador credenciado, em qualquer parte de Portugal, possa fazer o carregamento de uma ocorrência, desde que esteja ligado à internet e possua um vulgar browser. A primeira grande vantagem desta abordagem é que não é necessário instalar nenhum software do lado do cliente, ficando todos os dados residentes no servidor da Protecção Civil.

Por outro lado este serviço permite descentralizar a introdução da informação das ocorrências, que até à data era feito exclusivamente na sala do Centro de Operações, na Protecção Civil. Deste modo, vai ser possível aos nós regionais da Protecção Civil, que estão mais perto das situações, enviar os dados em formato electrónico, mais rápido que o modo tradicional, e sem duplicação de esforços, senda apenas necessário a utilização de um PC com ligação á internet.

2.2- Cruzamento e Consulta de Informação


Está previsto também a criação de novas base de dados, para cruzamento de informação via internet. Um exemplo disso é através da selecção de uma ocorrência, ter acesso a um extracto da carta militar 25000, centrada na ocorrência, um extracto da fotografia aérea de alta resolução, ou os dados populacionais daquela zona. De salientar que esta implementação só será possível através da celebração de protocolos com as entidades detentoras dos dados, de modo a disponibilizar esses mesmos dados na internet.

Para que este objectivo seja levado avante é urgente a definição dos termos de um protocolo que sirva para envolver as entidades produtoras de cartografia e bases de dados com entidades que irão usar o sistema.

A titulo de exemplo, o CNIG já iniciou contactos prévios com o IGeoE no sentido de saber da possibilidade de disponibilização da informação cartográfica da colecção 1:25 000 Gauss-Militar via internet dando assim acesso a esta informação às entidades que assinem o protocolo da RISE. Á primeira vista parece não haver problemas de maior, ficando a resposta final a aguardar o desenvolvimento do texto do protocolo da RISE.

Outra funcionalidade deste serviço é a possibilidade de serem feitos via internet, relatórios sobre os dados das ocorrências, localizados sobre uma dada zona, uma determinada ocorrência, um determinado espaço temporal, etc. Assim, os centros regionais da Proteção Civil, que não tendo acesso directo à informação contida na base de dados central, passam a poder fazer análise de dados e a criar documentos, de maneira remota.
 
 

2.3 Acesso condicionado à informação


A informação respeitante às ocorrências disponível na internet, é apenas uma parte dos dados disponíveis na base de dados. Está previsto um mecanismo condicionado de disponibilização de toda essa informação via internet, assente numa hierarquia com vários níveis de acesso. O acesso básico, onde qualquer cidadão pode ver um conjunto de dados de uma ocorrência (serviço actualmente em funcionamento), e outros níveis de acesso, protegidos por username e password, permitindo visualizar informação considerada mais crítica, como o número de homens, viaturas no local da ocorrências, meios aéreos, etc. A vantagem clara deste novo serviço é permitir às pessoas devidamente credenciadas, poder aceder ao desenrolar dos acontecimentos, sem estarem forçosamente no centro de Situação da Protecção Civil, desde que possuam um vulgar computador com ligação à internet.

2.4 - Navegação com GPS


Está em desenvolvimento uma aplicação com vista á visualização sobre cartografia 1:25000 da posição instantânea de um veículo com recurso a um

GPS e um emissor de CB.

Esta aplicação informa das distâncias e posições das povoações mais próximas e indica o distrito, concelho, freguesia e local onde se encontra. Está previsto introduzir ainda vários módulos com vista a reunir a maior informação possível relativamente a deslocação do veículo como seja a velocidade, direcção, altitude, etc